Notícias e publicações

10 agosto 2017

Coronel se recusa a soprar bafômetro e atira em agente no DF

Ele alegou que era coronel da PM e disparou ao menos três vezes. Como estava de colete, agente do detran ficou com hematoma nas costas.

Um policial militar da reserva disparou com arma de fogo contra um agente do Detran do Distrito Federal na madrugada desta quinta-feira (10) durante uma blitz em Águas Claras. Ele disse que era coronel da PM e se recusou a fazer o teste do bafômetro.

“Assim que foi solicitado a ele que fizesse o teste do etilômetro, para comprovar que ele não teria ingerido bebida alcoólica, ele se identificou como sendo da polícia e que, por isso, não iria fazer aquele exame”, disse a agente Letícia Campos.

À imprensa, a PM informou que o policial é tenente coronel na reserva (aposentado). Ele foi autuado por tentativa de homicídio. A corporação afirmou ainda que está tomando todas as providências no fato.

O agente do Detran ficou com um hematoma nas costas, onde foi atingido, mas não ficou com ferimentos graves graças ao colete à prova de balas. O homem fugiu do local, mas foi encontrado na região em seguida pela PM e pelos agentes que atuavam na fiscalização. O homem tentou resistir à abordagem.

“Ele desceu do carro de forma agressiva com a arma em punho e já atirando. O primeiro tiro pegou no nosso agente e em seguida ele efetuou mais um disparo. Todos os agentes que estavam no local se colocaram em posição de segurança. Ele saiu andando do local em seguida retornou e deu mais três tiros para o alto”, continua a agente.

Todos os envolvidos foram levados para a 21ª DP, em Taguatinga Sul. O carro do homem e outro veículo que o acompanhava foram guinchados. Como agentes do Detran não têm porte de arma de fogo, a polícia foi chamada. O coronel QOR foi imobilizado com auxílio de uma arma de choque e em seguida foi encaminhado ao presídio.

“Nós tínhamos o porte de arma até o ano passado e nos foi tirado com a prerrogativa que nós, agentes de trânsito, servimos apenas para multar, o que não é verdade. Nós estamos na rua para preservar vidas.”

Fonte: g1